Sal: O tempero essencial

O sal que utiliza em casa, em sua cozinha, na preparação de seus alimentos e no saleiro que vai para sua mesa é composto quimicamente de cloreto de sódio (NaCl).

 

O sódio é um mineral importante para o controle de nossas funções vitais. Ele age no equilíbrio de água do corpo, na entrada e saída de substâncias das células e na transmissão de impulsos nervosos. O cloro atua como ativador das enzimas e é fundamental para o processo digestivo.

 

O sal é extraído basicamente de duas fontes: de salinas à beira-mar e das rochas. A composição dele é praticamente a mesma, mas recebem denominações diferentes, de acordo com o processo de extração, forma com que é processado, etc. O tamanho e formato dos grãos, também influenciam e cada tipo oferece uma experiência sensorial diferente:

 

Sal de cozinha, de mesa ou refinado

 

É o mais comum e o mais usado no preparo de alimentos. É dissolvido e recristalizado a temperatura e pressão controladas em instalações industriais. De acordo com as leis brasileiras, o sal de cozinha deve ser acrescido de iodo para se evitar o bócio.

 

Sal Marinho

Há diversos tipos de sal marinho, dependendo de sua procedência, e a cor de seus cristais pode variar. Bastante usado na cozinha macrobiótica, pode ser moído na hora.

 

Sal Grosso

Não refinado apresentado na forma que sai da salina. Utilizado em churrasco, assados de forno e peixes curtidos. Seus cristais maiores e mais duros derretem mais lentamente, marcando seu sabor bem acentuado.

 

Sal Light

É um produto com reduzido teor de sódio, fruto da mistura de partes iguais de cloreto de sódio e cloreto de potássio. Ideal para pessoas com dietas restritivas ao sal.

 

Sal Kosher

Sal com cristais grossos e irregulares podendo ser extraído de mina ou do mar, desde que sob supervisão de rabinos.

 

Sal de Guérande

Considerado o melhor do mundo, esse sal tem produção artesanal. Extraído na cidade de Guérande, região da Bretanha, França, é um condimento caro. A versão especial é a chamada “fleur du sel”, ainda mais rara.

 

Sal de Aipo

Sal de mesa misturado com grãos de aipo secos e moídos. É utilizado para dar sabor em caldos e consommés. Pode ser usado para temperar o suco de tomate e outros coquetéis de legumes.

 

Gersal

Usado na cozinha vegetariana e macrobiótica. Sal misturado com sementes de gergelim tostadas e moídas.

 

A Sociedade Brasileira de Hipertensão e a Organização Mundial de Saúde (OMS) recomendam que a ingestão de sal para um adulto seja de no máximo 6g ao dia (ou 2,4g de sódio por dia) – o equivalente a uma colher de chá de sal de cozinha. Um levantamento feito pela SBC (Sociedade brasileira de Cardiologia) aponta que em alguns Estados o consumo médio é de 12g a 13g de sal – o dobro do recomendado!

 

Conheça um pouco da história do sal:

 

O sal é uma substância essencial ao homem e indispensável a todos os tipos de vida animal. Podemos constatar a importância do papel desempenhado pelo sal, através dos registros da história da humanidade. A sua produção e utilização podem ser encontradas em ilustrações e escritos que datam do início da civilização.

 

A salga dos alimentos já era um costume bastante difundido no Egito, cerca de 4.000 anos antes da era Cristã, Os gregos e os romanos utilizavam o sal também como moeda para suas operações de compra e venda. A palavra latina “salário” deriva do sal, uma vez que em sal se pagava uma parte do ganho das legiões romanas.

 

Ainda hoje um dos principais acessos de Roma se chama “Via Salaria” pois era por esse caminho que chegavam as caravanas trazendo sal para a capital do império.

 

 

Com informações de Cantinho Vegetariano e Bbel