Você se alimenta de maneira saudável?

FIBRAS

No começo do mês de setembro me deparei com uma situação nova e apavorante. As pressas levamos minha mãe para o hospital, com sintomas aparentes de uma forte prisão de ventre. Depois dos primeiros procedimentos médicos, recebi a notícia que ela deveria ser encaminhada as pressas para um hospital de porte maior, com mais recursos, para um diagnostico mais preciso.

Após o encaminhamento, durante o trajeto, ela foi perdendo sinais vitais e o que seria um internamento para investigação e diagnostico, transformou-se em correria para uma cirurgia as presas. Horas intermináveis de espera e angustia. Por fim a notícia chegou: “Sua mãe esta bem, reagiu bem ao processo cirúrgico, removemos uma parte do intestino onde estava presente um tumor”.

Para minha surpresa e o da minha família, o que parecia ser uma coisa simples, mudou completamente a rotina de todos, e uma pergunta não saia da minha cabeça “Como foi acontecer, silenciosamente e como não percebemos?”. Inquieta, fui as pesquisas, e compartilho com vocês aqui algumas informações que podem ser de grande auxilio quando se trata de  prevenção.

Primeiramente vamos entender o que significa os fatores de riscos, os sintomas que envolvem e posteriormente algumas dicas de prevenção no que diz respeito a alimentação e hábitos:
Segundo informações do INCA, “O câncer do cólon e reto, aqui denominado de câncer do intestino, encontra-se entre os dez primeiros tipos de câncer mais incidentes, sendo a quinta causa de morte por câncer no Brasil. Acomete semelhantemente indivíduos dos sexos masculino e feminino, principalmente após os 50 anos de idade”.

Dentre os fatores de risco, encontram-se dois principais relacionados ao desenvolvimento: idade maior ou igual a 50 anos e alimentação pobre em frutas, vegetais e fibras e rica em gordura animal.  Além destes, outros fatores de risco também podem estar relacionados como:

  • história de parentes de primeiro grau com adenomas diagnosticados antes dos 60 anos de idade;
  •  história pessoal pregressa de adenomas ou câncer de mama, ovário ou endométrio;
  •  história de colite ulcerativa crônica ou Doença deCrohn;
  • algumas condições hereditárias, como a polipose adenomatosa familiar e o câncer colorretal hereditário sem polipose. (Condiçoes genéticas).

Os sintomas mais frequentemente associados ao câncer do intestino são:

  • sangramento anal ou sangue nas fezes;
  • alteração do hábito intestinal (diarréia e obstipação alternados);
  • dor ou desconforto abdominal;
  • fraqueza e anemia;
  • perda de peso sem causa aparente.

No caso da minha mãe, os dois fatores principais estavam presentes no processo, ela possui 63 anos e em termos de alimentaçao, era pobre não so em fruta, vegetais e verduras, no caso dela anos de “péssima alimentaçao”, e para contribuir, mais de quarenta anos como fumante. Quanto aos sintomas apresentados por ela, apenas dor e desconforto abdominal, que neste caso dificultou e muito o diagnostico inicial.
A prevenção deste tipo de câncer, assim como o da maioria dos cânceres, baseia-se na adoção de hábitos saudáveis de vida, com a prática regular de exercícios e uma alimentação saudável, rica em fibras, vegetais e frutas.

Dando um desfecho para o caso citado, minha mãe segue as recomendações de tratamento tradicionais,  mudanças de  hábitos alimentares e principalmente ausência total de cigarros. No caso dela uma chance de um recomeço e vida nova.

Agora para você que preocupa-se com a saúde, segue informações adicionais, sobre uma alimentação saudável e novas pesquisas: Pesquisas feitas no Hospital A.C. Camargo , em São Paulo, mostram que o câncer de intestino e cólon está diretamente ligado à alimentação. Comer de forma errada pode ser pior até do que fumar. A carne vermelha é um dos vilões da boa dieta. Em grande quantidade, o alimento é um perigo, que pode ficar pior dependendo do preparo. O malefício vem de substâncias que existem naturalmente nos alimentos e que, conforme o preparo, podem se tornar mais tóxicas.

Quando preparada em altas temperaturas, a carne libera nitratos e nitritos em maior quantidade. A carne grelhada diretamente na chama do fogo faz com que a gordura e o sangue que caem na brasa produzam uma fumaça com grande número de substâncias tóxicas, que vão aderir ao alimento.
Dentro do organismo, os nitratos e nitritos entram em contato com a parede do intestino e causam lesões que podem provocar o câncer. Quanto mais tempo essas substâncias ficam no intestino, mais lesões provocam.

Por isso, é importante comer frutas e verduras que estimulem o funcionamento do intestino. Esses alimentos fazem com que as substâncias cancerígenas saiam mais depressa do corpo. “O que a gente sabe é que quando é ingerido um agente cancerígeno, como esses que a gente possui na carne vermelha, quanto maior tempo ele ficar em contato com o intestino, maior a chance de o indivíduo desenvolver um tipo de tumor”, explica Ariana Ferrari, nutricionista especialista em oncologia.

Portanto, cabe a nos ficarmos atentos a nossa alimentação, pois a prevenção  ainda demonstra-se como melhor remédio!

( Por Jaqueline Velho Araujo)